Altominho.tv

Romaria de S. João d’Arga candidata às 7 Maravilhas da Cultura Popular

A Câmara de Caminha anunciou, esta segunda-feira, que apresentou uma candidatura da romaria de São João d’Arga ao concurso 7 Maravilhas da Cultura Popular, que premeia desde lendas a artesanato, passando pelas festas, procissões ou romarias.

A candidatura de São João d’Arga está integrada na categoria de Procissões e Romarias e, segundo o município, pretende “valorizar não só o património imaterial associado às tradições, às manifestações de fé, à música e às danças e à ligação das festividades com o profano, mas também dar a conhecer o património do local”. O Mosteiro de São João d’Arga, cuja data de fundação é imprecisa e varia consoante as fontes, tem como primeiras referências o ano de 1252, através do testemunho dos frades beneditinos que restauraram e ocuparam o edificado.

Para o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, “esta candidatura tem dois objetivos que são complementares entre si”. “O primeiro é dar a conhecer a mais singular romaria do Alto Minho, a sua história, as suas tradições, o que significa para as populações de toda a região e o que vale em termos históricos pelo património que alberga e pela natureza que marca todo o local. O segundo objetivo é ganhar: esta candidatura quer que Portugal conheça melhor a Serra d’Arga, perceba os tesouros que ainda esconde, mas também quer ser escolhida como uma das 7 Maravilhas da Cultura Popular.”

Em comunicado enviado à imprensa, a autarquia revela que foram, também, apresentadas as candidaturas da Festa de Nossa Senhora da Bonança, em Vila Praia de Âncora – na categoria de Festas e Feiras – e a Góta da Serra d’Arga – em Música e Danças.

As 7 Maravilhas da Cultura Popular

As sete categorias a concurso são Artesanato; Lendas e Mitos; Festas e Feiras; Músicas e Danças; Rituais e Costumes; Procissões e Romarias e Artefactos.

Este ano, os candidatos finalistas são votados em cada um dos 18 distritos e nas duas regiões autónomas, com um total de 20 programas televisivos transmitidos em direto durante os meses de julho e agosto. Nessa fase, os candidatos já estarão reduzidos a sete em cada distrito e região autónoma, num total de 140 patrimónios.

Em cada programa da RTP será apurado um pré-finalista para passar às semifinais; posteriormente, haverá ainda uma repescagem. Os 20 segundos classificados nas eliminatórias regionais do concurso serão submetidos a uma nova votação, com o objetivo de apurar os oito mais votados que se irão juntar aos já pré-finalistas, que vão ser divididos por duas semifinais. Em cada semifinal, são apurados os sete patrimónios mais votados. A gala final com os 14 finalistas realiza-se a 5 de setembro.

A edição de 2020 é a 9ª realizada desde 2007. Nos últimos anos, já se elegeram as “7 Maravilhas – Praias de Portugal”, as “7 Maravilhas da Gastronomia”, as “7 Maravilhas Naturais de Portugal”, as “7 Maravilhas de Origem Portuguesa do Mundo”, as “7 Maravilhas de Portugal” e as “7 Maravilhas Aldeias”, as “7 Maravilhas à Mesa” e as “7 Maravilhas Doces de Portugal”.