Altominho.tv
BORGWARNER

Terceira fábrica de 25 milhões de euros da BorgWarner cria mais 300 empregos

A terceira fábrica da BorgWarner em Viana do Castelo vai começar a produzir motores elétricos para o setor automóvel em 2023, num investimento de 25 milhões de euros e criar mais 300 novos postos de trabalho.

Em conferência de imprensa realizada esta quarta-feira através de videoconferência, após a assinatura do contrato de investimento entre a Câmara de Viana do Castelo e a multinacional norte-americana, o gerente em Portugal, Ricardo Moreira adiantou que a nova unidade produtiva vai ocupar 17 mil metros quadrados de terreno no parque empresarial de Lanheses, onde o grupo já emprega 950 trabalhadores.

O responsável explicou que o novo investimento resulta da aposta na transição energética, estimando em que, em 2030, “45% do negócio da BorgWarner estará centrado na produção de motores elétricos”.

“Nos próximos meses vamos já assistir ao início da construção desta unidade que vai começar a produzir no início de 2023”, adiantou, acrescentando que “a nova fábrica será a terceira na Europa deste setor de negócio e irá produzir motores elétricos para clientes europeus do grupo”.

Atualmente, em Viana do Castelo, a Borgwarner tem um volume de negócios de 170 milhões de euros, prevendo-se a duplicação deste valor, com o novo investimento”.

Para o presidente da Câmara de Viana do Castelo, o terceiro investimento do grupo “é mais uma prova da confiança que a multinacional depositou no país e, em particular, na capital do Alto Minho”. “Com este contrato somos parceiros para a vida, enquanto a BorgWarner estiver cá”, sublinhou José Maria Costa.

“Esta prova de confiança da Borgwarner, com um terceiro investimento, significa que Viana do Castelo se continua a manter como um espaço de atração e como um espaço no qual as empresas confiam”, afirmou o autarca, destacando “o espírito de confiança entre os diversos parceiros”.

A multinacional instalou-se na capital do Alto Minho em 2014, num investimento de 25 milhões de euros e na altura estimava criar 500 postos de trabalho.

Em 2014, os incentivos concedidos pela Câmara de Viana do Castelo evitaram a saída da multinacional norte-americana BorgWarner, de Portugal, encontrando-se instalada no município vizinho de Valença.

Na altura, a multinacional beneficiou de um conjunto de isenções de taxas de infraestruturas, apoios à aquisição de terrenos e acompanhamento de processos de licenciamento, entre outras medidas.

A autarquia contratou ainda, um gabinete especializado, por 40 mil euros, para conceder apoio técnico à multinacional na construção da nova fábrica.

O grupo é líder mundial de produtos em soluções de tecnologia limpa e eficiência para veículos de combustão, híbridos e elétricos. Com fábricas e instalações técnicas em 96 localizações em 24 países, a empresa emprega cerca de 50.000 pessoas. Tem um volume de faturação anual de 10 milhões de dólares, sendo que “um terço do seu negócio está instalado na Europa”.