Altominho.tv

Fronteira entre Valença e Tui continua aberta, restrições aplicam-se apenas no acesso a Tui

A fronteira entre Valença e Tui continua aberta à circulação, apesar da existência de um encerramento condicionado, aplicado no acesso a Tui.

Esse encerramento existe na sequência da imposição do governo regional da Galiza, que decidiu confinar 60 municípios da região a partir de sexta-feira, incluindo o encerramento de atividades não essenciais, como a restauração e similares.

Analisando as fronteiras entre o Alto Minho e a Galiza, o condicionamento existe unicamente na fronteira entre Valença e Tui, mas apenas no acesso a Tui e não na circulação para os restantes pontos da Galiza. Esse condicionamento aplica-se tanto a cidadãos espanhóis como portugueses.

Segundo a autarquia de Tui, apenas podem entrar ou sair do concelho os cidadãos que necessitem de assistência de saúde, de trabalhar, estudar, regressar a casa, assistir familiares dependentes, deslocação a bancos, companhias de seguros ou postos de abastecimento de combustível, presença em órgãos públicos, judiciais ou notariais, renovação de documentos, realização de exames ou provas oficiais ou qualquer outra atividade, desde que devidamente credenciada.

As fronteiras de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Monção, Melgaço e Ponte da Barca (Lindoso) encontram-se abertas à circulação sem restrições, por não fazerem fronteira com as zonas de risco decretadas pela autoridade galega.

Recorde-se que o presidente do executivo regional, Alberto Núnez Feijóo, anunciou que a partir das 15h00 (14h00 em Lisboa) de sexta-feira e durante um mês as medidas de limitação da circulação de pessoas vão afetar um total de 60 municípios, onde vive cerca de 60% da população, incluindo sete cidades e os arredores, bem como 17 localidades mais pequenas com taxas elevadas de infetados pela pandemia de covid-19.

Feijóo assegurou que se trata de uma decisão “difícil” que se manterá em vigor durante um mês, embora durante esse tempo possa ser revista, e que são medidas para “o bem comum” da população galega, tendo em conta a “situação preocupante” da evolução da pandemia.

Na sequência dessa medida, o diretor do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial do Rio Minho, Fernando Nogueira, disse que o confinamento anunciado pela Junta da Galiza para 60 municípios daquela região não vai afetar o quotidiano dos trabalhadores transfronteiriços.