Altominho.tv

Albergues de apoio aos peregrinos do Caminho de Santiago fecham como medida de prevenção

O albergue de Valença, que dá apoio aos peregrinos que percorrem o Caminho de Santiago de Compostela, na Galiza, fechou hoje e os de Paredes de Coura e Ponte de Lima, encerram na sexta-feira.

Em declarações, o presidente da Câmara de Valença, Manuel Lopes (PSD), adiantou que a medida, que visa evitar a propagação da doença Covid-19, entrou hoje em vigor, prolongando-se até final de março.

Contactados pela Lusa, o presidente da Câmara de Ponte de Lima (CDS-PP) e o vice-presidente de Paredes de Coura (PS), adiantaram ter definido a data de 13 de março, na sexta-feira, para o encerramento da estrutura que dá apoio aos peregrinos que percorrem o caminho central até Santiago de Compostela.

Ambos explicaram que “foram implementadas restrições no número de vagas nos dois albergues, menos de metade da ocupação total, mas o encerramento ficou marcado para sexta-feira tendo em conta que há peregrinos em trânsito e que necessitam de um local para pernoitar“.

Valença dispõe do primeiro albergue do peregrino do Alto Minho. Abriu em fevereiro de 2005, dotado de 60 camas. O segundo albergue do distrito foi inaugurado em maio de 2006 em Rubiães, Paredes de Coura. Em 2009 abriu o albergue de Ponte de Lima, com capacidade para acolher 70 pessoas.

Em Caminha, o albergue inaugurado, em 2012, com capacidade para alojar 32 peregrinos do caminho da costa, é propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Caminha, mas é gerido pela Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela. O presidente, Alberto Barbosa disse à Lusa que a estrutura continua a funcionar, não estando previsto o seu encerramento, até pelo aumento do número de peregrinos registado nos últimos dias.

“Só na terça-feira recebemos 20 peregrinos, sobretudo alemães, quando na semana passada tínhamos apenas dois ou três. O movimento começou a aumentar com o início de março e atingirá o pico a entre julho e agosto”, explicou.

Em Viana do Castelo, o presidente da Associação de Apoio ao Peregrino, que gere o albergue situado na freguesia de Castelo de Neiva, Adriano Fernandes, disse que a estrutura está aberta, e que até ao fim-de semana, será avaliada a continuidade do seu funcionamento.

“Estamos a funcionar, com todas as medidas de precaução exigidas, mas se a situação piorar teremos de respeitar as decisões que forem tomadas. Se for para encerrar termos de o fazer, por tempo indeterminado. No entanto, defendo que a primeira abordagem aos peregrinos deveria ser feita nos aeroportos. À chegada deviam ser informados da situação que se está a viver”, disse.

No Convento do Carmo, no centro da cidade de Viana do Castelo, a estrutura criada em parte do imóvel para acolher 20 peregrinos também continua de portas abertas. O responsável, Ricardo Igreja, adiantou não ter “nenhuma indicação” que aponte para o encerramento. Ricardo Igreja destacou que, “atualmente, a afluência de peregrinos é superior à registada em 2019”.

Em Carreço, o Albergue Casa do Sardão, por precaução, “diminuiu a capacidade para metade, mas permanece em funcionamento”.
“Temos capacidade para receber 25 peregrinos, mas dada a situação reduzimos para, no máximo, 14 pessoas”, reforçou o proprietário, Hugo Lopes.
O responsável adiantou que vai aguardar pelas orientações do setor para atuar em conformidade.

“Até estamos um pouco perdidos. O Turismo de Portugal é a entidade que tutela os estabelecimentos de hospedagem como é o caso do meu espaço, sendo que os municípios também têm uma palavra a dizer relativamente ao assunto. Não sei bem o que fazer. Vou aguardar”, referiu.