Altominho.tv

PSD de Viana do Castelo acusa Miguel Alves de “trair” população de Caminha

A distrital do PSD de Viana do Castelo acusou hoje o ainda presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, de “trair” a população do concelho após ser nomeado para secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro.

“A distrital de Viana do Castelo do PSD felicita Miguel Alves pela nomeação para secretário de Estado Adjunto de António Costa, salientando, no entanto, que o mesmo não deve acontecer com a população de Caminha, a quem acabou de trair abandonando a autarquia e as promessas feitas, devido às suas ambições políticas”, refere o PSD do Alto Minho numa nota hoje enviada às redações.

Segundo a distrital do PSD “a verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima”.

“Apesar de Miguel Alves ter sempre propagado o seu amor a Caminha, a ideia que sempre circulou no concelho de Caminha era a de que o cargo de autarca iria servir para o catapultar para outros voos. Os rumores acabam de se confirmar”, criticam os social-democratas.

A distrital do PSD de Viana do Castelo “relembra que em 10 de março de 2021, Miguel Alves disse publicamente que já várias vezes tinha manifestado a sua determinação em continuar a servir Caminha e, por isso, em voltar a candidatar-se”.

A estrutura partidária recorda que em 23 de dezembro de 2021, aquando da entrega das listas do PS para as eleições legislativas, Miguel Alves afirmou: “Partimos para estas eleições para dar continuidade ao trabalho e prestígio que o Alto Minho foi granjeando estes últimos anos, mas também com o espírito renovado de quem quer colocar o distrito de Viana num patamar superior de qualidade e desenvolvimento”.

Acrescenta que “no rescaldo da noite eleitoral autárquica, em 27 de setembro de 2021, afirmou perentoriamente” que o seu “foco” eram os próximos quatro anos.

“Eu próprio já estou a trabalhar na Câmara Municipal. Não há que parar. As pessoas merecem o nosso empenhamento e a nossa dedicação. O que temos de fazer é olharmos para a frente, para os próximos quatro anos e elevar Caminha para um patamar superior de excelência”, recorda o PSD, citando declarações de Miguel Alves ao jornal Caminhense.

Criticam ainda, que num comício, em Vila Praia de Âncora, a 31 de julho de 2021, Miguel Alves, numa entrevista ao mesmo jornal, justificou a recandidatura às últimas eleições autárquicas por haver “muito mais para fazer” em Caminha.

“Tendo em conta todas estas declarações a população de Caminha foi fortemente defraudada. Em troca de um cargo de ‘boy’ socialista, Miguel Alves abandonou, nem um ano depois, o concelho. As promessas que tinha como basilares são agora de menor importância. Não se queixe o PS que a população caminhense, que merece respeito, castigue quem se vangloria de palavra dada e não a cumpre”, destaca a nota do PSD.

O primeiro-ministro, António Costa, propôs hoje ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a nomeação do atual presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, para o cargo de secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro.

Esta proposta de nomeação foi divulgada na página oficial da Presidência da República na Internet.

Miguel Alves, natural de Lisboa e licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é um dos dirigentes socialistas mais próximos do atual líder do executivo e a sua entrada na equipa de António Costa destina-se a reforçar a coordenação política do Governo.