Altominho.tv

Cartaz retrata memórias, presente e futuro da Romaria d’Agonia

O contraste entre preto, branco e outras cores retrata no cartaz da edição 2021 da Romaria d’ Agonia “as memórias, o presente e o futuro” das festas de Viana do Castelo, disse hoje o autor Ricardo Miguel Ferreira.


“Este cartaz vai ser de transição das festas que vivemos o ano passado, que vamos viver este ano e das que esperamos ver no futuro, depois da pandemia de covid-19, sem esquecer as memórias que nos foram transmitidas pela família e amigos”, referiu o designer gráfico de 49 anos.


O cartaz tem fundo branco, “para representar a luz que faltou a todos em 2020, simbolizando ainda as memórias, congeladas no tempo, os vários momentos da festa”.
Já a cor “simboliza a alegria e encarna a esperança de reencontro com a festa que conhecemos, a serenidade, mas também a confiança no futuro”. 
“Se calhar ainda não vai ser este ano, mas espero que o meu cartaz faça a ponte com uma romaria em pleno, para o próximo ano”, disse durante  a sessão de apresentação pública da criação, numa sessão no Teatro Municipal Sá de Miranda.


Ricardo Miguel Ferreira adiantou que a inspiração surgiu “da vontade de combater a pandemia de covid-19 com as armas” que tem”, apontando a “criatividade” 
Ricardo Miguel Ferreira venceu, à segunda tentativa, o concurso público internacional promovido pela VianaFestas, entidade que organiza a romaria d’Agonia que este ano vai decorrer  de 19 a 22 de agosto.


Este ano, o concurso recebeu 46 propostas, mais do dobro de 2020, de 31 autores.
Renata Guisantes, de 35 anos, tatuadora e professora de dança, dá corpo à mordoma ao envergar um traje à vianesa da Ribeira Lima, da freguesia de Perre, com quase 80 anos, de duas amigas, e o ouro é cedido pela Ourivesaria Freitas, ícone da filigrana em Viana do Castelo.
“Sinto-me como uma menina que recebeu o melhor de todos os presentes em que o olhar se ilumina de felicidade. É um sonho que toda a menina vianense tem, além de um orgulho profundo por representar Viana do Castelo ao peito, no olhar, no traje e no coração para todo o mundo”, confessou Renata Guisantes.

Mesmo que a romaria continue este ano condicionada pela pandemia de covid-19, Renata garantiu que o “orgulho e a felicidade” de ser a mordoma do cartaz “não vai diminuir”. 
Na sessão foi ainda apresentado o programa da edição 2021 que vai incluir momentos ‘online’ e alguns com público, nomeadamente as eucaristias, a Festa do Traje, Festival de Folclore, ou os concertos da Orquestra do Sopro de Cordas de Outeiro, Canário e Amigos e do Sons do Minho.


A organização prevê que os espetáculos, marcados para o Centro Cultural, tenham entrada gratuita e limitação de lugares, o que obrigará ao levantamento de bilhete, a disponibilizar no próprio dia.


Em 2020, ela primeira vez em 240 anos, a romaria decorreu unicamente em formato difital devido à pandemia da covid-19.


Este ano, alguns momentos decorrem presencialmente como é o caso da Feira de Artesanato, que regressa ao jardim Público, entre 07 e 22 de agosto, apenas com artesãos do concelho, mas com limitações no número de pessoas em permanência no recinto.
“Este programa tenta replicar o que de melhor se conseguiu fazer com o modelo adotado em 2020. Este ano convidamos todos a manter as festas vivas.”, destacou o presidente da Comissão de Festas, António Cruz.


Já o presidente da VianaFestas, Luís Nobre, disse “apesar das dificuldades, a concretização, mais uma vez, da Romaria d’Agonia é um motivo de orgulho para todos”.
“A nossa romaria já viveu muito em praticamente 250 anos de história, já passou por dificuldades e soube sempre reinventar-se. Este ano temos de reinventar a festa, porque nunca a deixamos de sentir. É a nossa imagem, é muito do que nos define como povo, é, no fundo, a nossa alma”, afirmou.


Em 2021, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, delegou a presidência da Comissão de Honra das Festas d’Agonia na atriz Melânia Gomes.