Altominho.tv

Circulação proibida e recolher obrigatório no fim de semana em todos os concelhos do Alto Minho

A maioria dos concelhos do continente português, com exceção de 25, vai ter no próximo fim de semana proibição de circulação entre municípios e recolher obrigatório entre as 13h00 e as 05h00. No Alto Minho, as medidas aplicam-se aos 10 concelhos.

O Governo decidiu prolongar as medidas atualmente em vigor no combate à pandemia no território continental e aplicar novas restrições durante o próximo fim de semana nos concelhos com maior risco.

Em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro explicou que as medidas aplicam-se nos concelhos com mais de 240 novos casos por 100 mil habitantes. “Só não se aplicam em 25 concelhos, em que o número de novos casos é inferior a 240”, revelou António Costa.

Na quarta-feira, o Presidente da República decretou a renovação do estado de emergência por mais oito dias, até 15 de janeiro, para permitir medidas de contenção da Covid-19.

Esta quinta-feira, o primeiro-ministro afirmou ainda que, na próxima semana, o Governo poderá tomar medidas mais restritivas para fazer face ao aumento de contágios.

Níveis de risco por concelho no Alto Minho

Ponte da Barca registou uma taxa de incidência superior a 960 casos de Covid-19 por 100 mil habitantes e é atualmente o único concelho em risco extremo devido ao elevado número de casos de infeção, segundo a última atualização da lista de concelhos por nível de risco.

Quatro concelhos estão em risco muito elevado, nomeadamente Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço e Viana do Castelo.

Já Monção, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Valença e Vila Nova de Cerveira estão atualmente em risco elevado.

O Governo definiu que os concelhos com menos de 240 casos por 100 mil habitantes têm risco “moderado”, os concelhos com mais de 240 e até 480 casos por 100 mil habitantes têm risco “elevado”, os concelhos com mais de 480 novos casos e até 960 casos encontram-se em risco “muito elevado” e os concelhos com mais de 960 casos por 100 mil habitantes têm risco “extremamente elevado”.