Altominho.tv

Viana do Castelo pede estudo sobre segurança da ponte Eiffel

O presidente da Câmara de Viana do Castelo afirmou hoje que vai pedir um estudo às condições de segurança da ponte Eiffel, devido ao previsível acréscimo de trânsito que os novos acessos ao porto de mar vai gerar.

“É previsível que, com os novos acessos ao porto de mar, haja um acréscimo de trânsito na ponte Eiffel. Por isso, vou solicitar ao Ministério das Infraestruturas um estudo sobre as fundações da ponte”, afirmou o socialista José Maria Costa.

O autarca, que falava no período antes da ordem do dia da reunião camarária de hoje, justificou a realização do estudo com a necessidade de o concelho “ter um conforto técnico em relação à segurança da ponte”.

José Maria Costa adiantou que, devido às obras de modernização e eletrificação da linha ferroviária do Minho, que liga o Porto a Vigo, na Galiza, “houve reforço da estrutura da ponte e que a mesma está monitorizada”.

“Sabemos que a Refer é bastante escrupulosa com a segurança. A minha perceção é que é muito ciosa dessa segurança, mas vamos pedir este estudo”, reforçou.

A construção dos acessos rodoviários ao porto de mar foi iniciada em fevereiro de 2019.

Os novos acessos, com 8,8 quilómetros e reivindicados há mais de quatro décadas, terão duas faixas de rodagem de 3,5 metros de largura, e representam um investimento superior a nove milhões de euros.

A obra é financiada pela Câmara de Viana do Castelo e pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Hoje, o autarca adiantou que a realização do estudo integra o acordo negociado na terça-feira com a associação de moradores do Cabedelo, para permitir retomar a construção da última fase dos acessos ao porto de mar da cidade, parada desde 11 de setembro.

A empreitada foi embargada por aquela associação que contesta o abate de 30 dos 170 plátanos existentes nos 628 metros daquela artéria.

A ponte Eiffel sobre o rio Lima, com 142 anos, entrou, em 2019, em processo de classificação como imóvel de interesse nacional.

Aquela travessia metálica, que liga a cidade de Viana do Castelo a Darque, encontra-se classificada como património da cidade e constitui um símbolo da arquitetura do ferro do século XIX, sendo hoje um ex-líbris de Viana do Castelo.

Tem 645 metros de comprimento, é composta por dois tabuleiros metálicos, sendo o superior rodoviário, para trânsito automóvel e pedestre, e o inferior ferroviário.

Inaugurada em 1878, a ponte metálica sobre o rio Lima foi desenhada pela casa Eiffel de Paris e substituiu a ponte em madeira que ligava o então terreiro de São Bento à margem esquerda do rio Lima, junto à capela de São Lourenço, na freguesia de Darque.

A empresa de Gustave Eiffel também foi encarregada da construção.

As obras começaram em março de 1877 e foram concluídas em maio do ano seguinte, sendo que a 30 de junho de 1878 foi inaugurado o troço ferroviário entre Darque e Caminha.

A última intervenção realizada na ponte centenária foi realizada em 2016, para a substituição dos aparelhos de apoio da travessia rodoferroviária sobre o rio Lima, num investimento de 117.790 euros.

Em 2014, a travessia foi alvo de uma empreitada de substituição integral do piso do tabuleiro rodoviário, que se encontrava “totalmente esburacado”.

Aquela obra, da responsabilidade da Refer, foi concluída dias antes de a travessia completar 136 anos de existência (30 de junho).

Em 2007, toda a estrutura recebeu uma grande intervenção de reabilitação, que durou quase dois anos e que custou 15 milhões de euros.