Altominho.tv

Sociedade Civil portuguesa cria movimento para adquirir material de proteção para profissionais de saúde

A sociedade civil portuguesa está a organizar-se para adquirir material de proteção para os profissionais de saúde através do movimento ‘SOS.COVID19’ para conseguir a entrega de 20 mil máscaras reutilizáveis, 5 mil viseiras e 50 mil máscaras comuns.

Até hoje a ‘SOS.COVID19’ já conseguiu angariar 40 mil euros, através de uma campanha de ‘crowdfunding’ lançada há cerca de dois dias junto dos portugueses, pelo que já pode assegurar a entrega de 3.467 máscaras FFPP2 (máscaras reutilizáveis, com filtro), 3.466 viseiras e 9.630 máscaras não cirúrgicas aos Hospitais de S. João, de Sta. Maria e Garcia de Horta, com cujos responsáveis as organizadoras da ‘SOS.COVID19’ estão concertadas. O movimento ‘SOS.COVID19’ prevê que o carregamento de equipamento de proteção individual chegue já na próxima semana.

Em comunicado, o movimento explica que Portugal, bem como outros países da Europa, está com muita dificuldade em aceder a equipamento de proteção individual (EPI), nomeadamente máscaras P2, batas, viseiras e máscaras comuns.

Perante este contexto, um grupo de oito pessoas criou o ‘SOS.COVID19’, um movimento tem como único objetivo a angariação de fundos para aquisição destes materiais a partir de qualquer lugar do mundo onde estes se encontrem disponíveis.

O objetivo do SOS.COVID19 é atingir 200 mil euros para poder entregar 20 mil máscaras FFPP2, 5 mil viseiras, 50 mil máscaras comuns (não cirúrgicas) aos profissionais de saúde, numa encomenda proveniente do continente asiático. Os donativos podem ser feitos através do endereço eletrónico: http://gf.me/u/xq57p6.

Não podíamos ficar insensíveis à situação da falta de material de proteção individual dos nossos profissionais de saúde. Já assistimos às situações de Itália e Espanha e queríamos, no que pudéssemos apoiar o SNS na luta contra a Covid-19”, refere em comunicado Mariana Roque do Vale, uma das promotoras da iniciativa.

Mariana Roque do Vale assegura que todos os valores angariados são destinados, exclusivamente, para a compra destes produtos e que as contas poderão ser devidamente analisadas por quem de direito.

Entretanto, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 1.020, mais 235 do que na quinta-feira.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e prolonga-se até às 23:59 de 02 de abril.