Altominho.tv

Melgaço lidera projeto ibérico que visa ligar em rede termas de seis municípios

Melgaço, já concluiu todas as obras que candidatou ao projeto Raia Termal – que envolve seis municípios portugueses e galegos situados nas bacias dos rios Minho e Lima – e prepara-se para começar a promover o destino termal.

“Podemos dizer que Melgaço é, dos municípios galegos e portugueses, o que tem mais execução realizada. Estaremos com uma execução dos 70%, num investimento de 250 mil euros”, afirmou o presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista.

Com um orçamento de cerca de dois milhões de euros, o projeto Raia Termal é desenvolvido no âmbito do Programa de Cooperação INTERREG VA Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020 e cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). Coordenado pela Confederação Hidrográfica do Miño-Sil, integra, do lado espanhol, na província de Ourense, os municípios de Cortegada, Lobios, Bande e Muíños.

No norte de Portugal, fazem parte os concelhos de Melgaço, no distrito de Viana do Castelo, e de Terras de Bouro, no distrito de Braga, sendo que ambos integram o Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG).

Em Melgaço, o autarca socialista adiantou que o projeto de valorização dos recursos naturais termais tem uma dotação orçamental total de 370 mil euros.

Manoel Batista garantiu “estarem implementadas todas as ações físicas” propostas – “a requalificação do parque termal, o arranjo da zona de estacionamento junto à entrada do parque, a transformação do campo de minigolfe em zona de fitness para completar a oferta e a substituição das comportas lago junto ao parque”. “Dentro de dois meses estaremos em condições de contratualizar a parte da comunicação, com a instalação de écrãs gigantes para poderemos informar quem nos visita da oferta integrada do projeto: as nossas termas e as outras que integram o projeto”, afirmou Manoel Batista, adiantando que o investimento rondará os 50 mil euros.

O autarca reconheceu que, do lado espanhol, o projeto não tem avançado à mesma velocidade: “Os municípios galegos não têm a autonomia financeira e técnica que têm os municípios portugueses. Dependem muito da deputación e ficam mais coartados e limitados na capacidade de pôr no terreno os projetos”, sustentou.

Além de valorizar os recursos naturais termais dos seis municípios, o projeto tem como fim último a criação de um único destino termal de fronteira, ou seja, de “um recurso turístico ambiental singular e atrativo do espaço transfronteiriço, promovendo o seu posicionamento nos mercados espanhol, português e europeu”.

Pretende-se “proteger e conservar os espaços naturais fluviais fronteiriços do Minho e do Lima, de forma a contribuir para a melhoria do meio ambiente e dos recursos termais da zona, e criar uma rede que fomente a estruturação dos recursos termais transfronteiriços raianos de Ourense e do Norte de Portugal, tendo como objetivo a sua valorização turística”.

Fonte: Lusa

Redes Sociais

Mais de 50.000 pessoas acompanham a Altominho.tv nas principais redes sociais. Junte-se à nossa comunidade no Facebook, Twitter, Youtube e Instagram.
Acompanhe-nos nesta viagem pelo Alto Minho!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com