Altominho.tv

Calçada romana desvia ligação de Paredes de Coura à A3 para garantir preservação

O traçado inicial da ligação rodoviária do parque empresarial de Formariz, em Paredes de Coura, à Autoestrada 3 (A3), vai ser “ajustado” para garantir a preservação de uma calçada romana encontrada durante a execução da obra.

“A nossa identidade e as nossas raízes, enquanto comunidade, estão intimamente ligadas aos nossos vestígios civilizacionais. Ao preservá-las, cuidamos da nossa memória e conferimos sentido e compreensão à nossa história”, afirmou hoje à agência Lusa o presidente da Câmara de Paredes de Coura, no distrito de Viana do Castelo.

Em declarações à Lusa, Vítor Paulo Pereira explicou que o achado arqueológico integra “cerca de 45 metros de lajeados de calçada com pequenos muros de contenção e afloramentos rochosos com marcas de entalhes para possibilitar a sua passagem”.

Explicou que a solução encontrada, em articulação com a Infraestruturas de Portugal (IP) e que já recebeu parecer favorável da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), “implicará um ajuste ao traçado da nova via neste local, por forma a preservar o lajeado de calçada romana”.

Segundo Vítor Paulo Pereira, a solução representará, “necessariamente, algum esforço financeiro acrescido, que se perspetiva limitado”, sem especificar o montante.

“A Câmara de Paredes de Coura e a IP consideraram fundamental para conseguir o compromisso necessário entre o respeito pelo passado e anseio pelo futuro”, sustentou.

Segundo o autarca socialista, aquela solução “já obteve parecer favorável da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) e prevê ainda “um ajuste no restabelecimento inicialmente projetado para o Caminho de Santiago de Compostela”, na Galiza, Espanha.

“Designadamente a colocação de uma passagem superior (ponte) em madeira sobre a nova via, a qual passará, nesta solução, a estar alinhada com o traçado original da Via Romana e Caminho de Santiago e a preservação completa, no mesmo local, dos 45 metros de extensão do lajeado da calçada romana. Implica também a escavação arqueológica, caracterização e valorização deste achado arqueológico”, especificou.

Vítor Paulo Pereira acrescentou que o parecer da DRCN, emitido no dia 18, “implica também a escavação arqueológica, caracterização e valorização do achado arqueológico”.

“A solução encontrada mostra o empenho da IP na salvaguarda e preservação do nosso património, num quadro em que DRCN teve um papel decisivo e muito importante. Estamos muito gratos às duas instituições porque foram ágeis e diligentes numa solução que satisfaz todos os intervenientes”, reforçou.

A construção da ligação rodoviária do parque empresarial de Formariz, em Paredes de Coura, à A3 foi iniciada em junho último e tem conclusão prevista para dezembro.

O acesso rodoviário, reclamado há mais de cinco décadas por autarcas e empresários, tem cerca de 8,8 quilómetros de extensão, e irá ligar o parque empresarial de Formariz à A3, ao nó de Sapardos, em Vila Nova de Cerveira, também no distrito de Viana do Castelo.

O investimento, de nove milhões de euros, é financiado pelo Programa de Valorização de Áreas Empresariais, lançado pelo Governo em fevereiro de 2017.

O “relatório realizado por uma equipa de arqueólogos antes do início da obra identificou vários valores patrimoniais com impacto direto na construção daquela ligação”.

“Entre eles foi identificado, na freguesia de Cossourado, num troço com cerca de 400 metros de extensão, entre a Capela de São Bento e até ao limite do concelho com Valença, numa zona em que é defendido que o Caminho de Santiago de Compostela coincide com a Via Romana XIX, cerca de 45 metros de lajeados de calçada com pequenos muros de contenção e afloramentos rochosos com marcas de entalhes para possibilitar a sua passagem”, explicou.

Vítor Paulo Pereira referiu que, “atendendo à importância deste achado arqueológico, a DRCN pediu que fossem consideradas medidas de proteção que não interferissem com o valor patrimonial daquele local, tendo sido suspensos todos os trabalhos nessa frente de obra”.

“Após várias reuniões que conjugaram esforços da IP, da Câmara e da DRCN, foram apresentadas diversas alternativas de alteração ao projeto – todas com o objetivo de salvaguardar a afetação do lajeado da Via Romana XIX e, simultaneamente, viabilizar a obra da ligação”.