Altominho.tv

PSD/Congresso: Rio chega a Viana ainda com incertezas sobre unidade futura do partido

O 38.º Congresso do PSD arranca na sexta-feira e vai consagrar o reeleito Rui Rio como presidente, tendo como incógnitas o grau de mudanças na nova direção e como se manifestarão as fraturas de uma eleição interna muito disputada.

Depois de um primeiro mandato marcado pela polémica interna e de umas diretas com uma inédita segunda volta, o Congresso de Viana do Castelo servirá para testar a solidez da líder reeleito em 18 de janeiro com 53,2% dos votos, contra 46,8% de Luís Montenegro, na mais curta distância entre os dois primeiros candidatos desde que há diretas.

Na primeira volta, Rio falhou por pouco a necessária maioria absoluta dos votos expressos (regra introduzida nos estatutos em 2012) com 49% dos votos e teve de ir novamente a votos uma semana depois, ficando pelo caminho o terceiro candidato, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Miguel Pinto Luz (9,5%), que não declarou apoio a ninguém.

Na noite da vitória, Rio assegurou que contará todos os que forem leais, enquanto o antigo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, recusou que esta derrota signifique a sua morte política.

Nessa ocasião, Montenegro assumiu desde logo que iria intervir no Congresso, mas garantiu que a sua intervenção no partido nos próximos tempos se esgotaria aí, regressando à sua condição de militante de base.

Os seus apoiantes irão apresentar pelo menos uma lista ao Conselho Nacional – órgão máximo do partido entre Congressos -, que deverá ser liderada pelo presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha.

Rui Rio anunciou também na noite das diretas que não iria, ao contrário do que fez há dois anos, tentar uma lista de unidade com o candidato derrotado, assumindo que teria uma lista própria ao Conselho Nacional. Há dois anos, foi o eurodeputado Paulo Rangel o primeiro nome indicado pelo atual presidente (teve como número um o candidato derrotado de 2018, Pedro Santana Lopes).

Miguel Pinto Luz não irá “associar-se a qualquer lista” ao Conselho Nacional – mas destacados apoiantes seus como os líderes das distritais de Setúbal e Lisboa, Bruno Vitorino e Ângelo Pereira irão fazê-lo – num órgão ao qual concorreram há dois anos sete listas, cenário que deverá repetir-se este fim de semana.

Com a disputa interna resolvida, uma das principais incógnitas do Congresso será até que ponto Rio poderá renovar a sua direção, sendo apontadas como certas as saídas das vice-presidências de Elina Fraga e de José Manuel Bolieiro (quem tem assento por inerência na Comissão Política), abrindo espaço a novos rostos.

Desde as diretas, Rio esteve quase ausente do espaço público até à discussão, esta semana, do Orçamento do Estado na especialidade, e um dos factos políticos nesse período foi o reaparecimento do ex-líder Pedro Passos Coelho, numa iniciativa partidária em que apelou a uma união da direita.

O 38.º Congresso do PSD tem arranque previsto para as 21:00 de sexta-feira, com a apresentação da moção global de estratégia pelo líder Rui Rio, que voltará a falar aos congressistas no domingo.

Em Viana do Castelo, serão também apresentadas entre sexta-feira à noite e sábado de manhã 13 moções setoriais ao Congresso, sendo a mais mediática a subscrita por um grupo de ‘notáveis’ – entre as quais os ex-governantes Miguel Poiares Maduro e António Leitão Amaro – que defendem a realização de eleições primárias abertas para escolher o líder do PSD, com acesso aos cadernos eleitorais nacionais, e a possibilidade de se trocar a quota de militante por trabalho partidário.

O texto deverá ser apresentado no Congresso por outro dos primeiros subscritores, o deputado Duarte Marques, já que Poiares Maduro não é delegado e Leitão Amaro – que apoiou Montenegro nas diretas e não integrará qualquer lista – deverá intervir no período de debate político, reservado para o dia de sábado.

De acordo com o programa do Congresso, as candidaturas aos órgãos nacionais poderão ser entregues até às 19:00 de sábado, estando marcadas para as 23:00 as votações das moções globais e temáticas, que decorre habitualmente de braço no ar.

No domingo de manhã decorre a eleição dos órgãos nacionais, com a sessão de encerramento e a proclamação de resultados marcada para as 13:00.

A Lusa contactou alguns ex-líderes do PSD e, até agora, nenhum confirmou a sua presença, com Marques Mendes a justificar estar fora do país no próximo fim de semana e fontes próximas de Luís Filipe Menezes a indicarem que também o antigo autarca de Gaia não deverá ir a Viana do Castelo.

Como novidade na organização do Congresso, os congressistas poderão registar-se automaticamente em ‘tablets’ disponibilizados no recinto, através de um “QR Code” (código de barras) recebido no seu telemóvel, semelhante aos dos bilhetes de avião.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.