Escola Superior de Saúde do IPVC apresenta em Lisboa projeto sobre um estudo feito a doentes no Alto Minho

A Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) apresenta, esta terça-feira, no Encontro Ciência 2019, a decorrer no Centro de Congressos em Lisboa, um projeto baseado num estudo feito a doentes no Alto Minho.

O projeto “A telemonitorização na acessibilidade e equidade em saúde na pessoa com Diabetes Mellitus tipo 2: Um estudo no Alto-Minho”, dos autores Aurora Pereira, Luís Graça, Mara Rocha, Carlos Abreu e Paula Felgueiras, resulta de uma parceria entre a Escola Superior de Saúde e a Escola Superior de Tecnologia a Gestão do IPVC com a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM).

Em comunicado, a instituição de ensino informa que o projeto foi desenhado tendo em consideração a “prevalência da diabetes no distrito, a dispersão geográfica e o perfil demográfico da população”, acrescentando que o mesmo procura “facilitar o controlo metabólico de doentes diabéticos tipo 2 com HbA1c> 8%, residentes no distrito de Viana do Castelo, com dificuldades de acesso aos serviços públicos de saúde”.

“Tratando-se de uma população com baixa literacia, potenciamos a utilização de glicómetros habitualmente utilizados pelos doentes e desenvolvemos um sistema de monitorização fácil de usar e acessível, capaz de enviar os dados de avaliação da glicemia para os profissionais de saúde sem a necessidade do utente alterar sua rotina diária, minimizando a deslocação a serviços de saúde”, explicam os autores, citados na nota enviada à imprensa, que sublinham que com este projeto pretendem “contribuir para melhorar o controlo metabólico dos doentes e a sua qualidade de vida”.

Este projeto está integrado na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem, que integra um núcleo da ESS-IPVC, e vai ser apresentado hoje em Lisboa na sessão Saúde de Qualidade: telemedicina e plataformas digitais.

O Ciência 2019 é mais uma edição do encontro anual dos investigadores portugueses, que se destina a “promover o debate alargado dos principais temas e desafios da agenda científica para além do universo da investigação”.

Este encontro, promovido pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia em colaboração com a Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica e a Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, com o apoio do Governo, tem como principal objetivo “estimular não só a participação, mas também a interação entre investigadores, setor empresarial e público em geral”.

A edição de 2019 conta com o Reino Unido como país convidado.