LUIS ROCHA/FBAC

Bienal de Cerveira leva 20 obras ao Mosteiro da Batalha

Uma seleção de 20 esculturas da coleção da Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) vai estar em exibição, de 28 de junho a 29 de setembro, no Mosteiro da Batalha.

Segundo o presidente da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, Fernando Nogueira, “esta mostra neste monumento ímpar do gótico português vem reforçar o desígnio de valorização, dinamização e divulgação de uma importante coleção, composta por cerca de 670 obras de arte contemporânea”, no ano em que a FBAC recebeu a distinção de “Melhor Museu Português”.

A partir de obras de 18 artistas propõe-se “uma nova leitura das peças da coleção da Fundação Bienal de Arte de Cerveira e também uma reflexão acerca da arte contemporânea como expoente simbólico do lugar”, explica o diretor artístico da FBAC e curador da exposição, Cabral Pinto.

A parceria foi também alargada ao espaço público, onde o artista premiado na XI da Bienal Internacional de Arte de Cerveira (2001), Acácio de Carvalho, apresenta a intervenção “Pirâmide Imperfeita” de seis metros de altura e oito de largura.

A exposição “Volumes e interações na história” integra ainda o programa do “Artes à Vila”. Este festival, que decorre de 27 a 30 de junho, estreou-se em 2018, Ano Europeu do Património Cultural, com a ambição de se projetar em Portugal e na Europa pela música tradicional portuguesa e músicas do mundo. A segunda edição regressa com música, exposições, visitas guiadas, workshops e conferências.

A abertura da exposição acontece na sexta-feira, pelas 19h00, no Claustro Real do Mosteiro Santa Maria da Vitória.