Altominho.tv

Norte de Portugal e Galiza exigem investimento urgente no “obsoleto” comboio Celta

Os líderes regionais do Norte de Portugal e da Galiza exigiram hoje um investimento urgente no “obsoleto” comboio internacional Celta, que une o Porto a Vigo, considerando que o projeto futuro de alta velocidade não é desculpa para não se investir no presente.

“Recordamos que a atual ligação, o chamado comboio Celta, entre Porto e Vigo, se efetua em duas horas e meia, com material muito obsoleto e oferece condições de serviço que devem ser atualizadas com urgência enquanto a ligação do Eixo Atlântico [por alta velocidade] não se concretizar para tornar possível que tal viagem ocorra no tempo máximo de uma hora”, pode ler-se numa declaração conjunta assinada hoje em Valença entre a Xunta da Galiza e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Os líderes da Galiza e do Norte de Portugal assinaram hoje uma declaração conjunta em defesa de um compromisso blindado para ter o comboio de alta velocidade em 2032, sem “nenhuma desculpa” para atrasos dos governos centrais.

Apesar de olhar já para o comboio de alta velocidade, para o presidente da CCDR-N, António Cunha, “o Celta é presente mas é um presente que também será futuro”, e “nos próximos oito anos a ligação do Porto à Galiza faz-se com o Celta e far-se-á com o Celta, e é importante que seja uma ligação muito melhor do que aquela que é hoje”.

No seu discurso, após a assinatura da declaração, o líder regional falou do comboio atual como um “elemento museológico mas nem sequer é bonito, que funciona mal, que funciona poucas vezes e que não serve a Eurorregião” Galiza – Norte de Portugal.

Questionado acerca da continuação do uso de comboios diesel numa linha já toda eletrificada, António Cunha respondeu que essa circunstância “não é razoável face ao investimento que se fez na eletrificação da linha”.

“Sobretudo é um comboio que não é cómodo, que é lento, mas também que tem uma oferta muito pequena, os horários disponíveis são muito reduzidos”, vincou.
Para António Cunha, “é importante o investimento no Celta, porque o metabolismo económico da Eurorregião tem crescido, e as trocas transfronteiriças turísticas também têm crescido muito, nomeadamente no contexto dos caminhos de Santiago”.

Já o presidente da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, vincou que “não é admissível que até ao ano de 2032 haja um comboio Celta nestas condições”.

“Com esta velocidade tão baixa para o que são as ligações ferroviárias atualmente, com comboios que são muito melhoráveis, com combinações e frequências que não são as melhores, creio que isto se pode solucionar com um esforço muito menor”, advogou.

Para Alfonso Rueda, “não seria um argumento aceitável dizer que como haverá a grande infraestrutura [de alta velocidade] dentro de oito anos, não vale a pena investir durante estes oito anos no comboio Celta”.