Altominho.tv

Fernando Pimenta recebido em festa em Ponte de Lima

Fernando Pimenta, medalha de bronze em K1 1.000 metros nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, já regressou a Ponte de Lima e agradeceu o feito à comunidade da vila minhota onde cresceu como atleta e cidadão.

Recebido por cerca de 200 pessoas no Largo de Camões, voltado para a designada Ponte Velha e para o rio Lima, o atleta de 31 anos disse levar sempre para a competição um “grande pedaço do Fernando Pimenta de Ponte de Lima”, a “vila mais antiga de Portugal” – tem esse estatuto desde 1125 – e a “mais bonita do mundo”, a seu ver.

“Aprendi aqui os valores que levo comigo. São também as nossas romarias, a paixão que sentimos pela nossa vila, a mais antiga de Portugal e a mais bonita do mundo. Temos sempre de ‘puxar a brasa’ à nossa ‘sardinha’. Temos um belíssimo rio, um enquadramento paisagístico que nos favorece muito”, disse, perante os aplausos e os ecos de aprovação da plateia que o ouvia.

A partir de um autocarro descapotável que saiu do Estádio do Cruzeiro, ‘casa’ da Associação Desportiva “Os Limianos”, o canoísta frisou ser um “orgulho” e uma “honra” partilhar o bronze alcançado na madrugada de terça-feira naquela praça e contou que guardou sempre a bandeira de Ponte de Lima no quarto que lhe foi reservado na Aldeia Olímpica, apesar de publicamente só poder divulgar símbolos alusivos ao país.

“Não partilhei como tinha o meu quarto. Não podia ter a bandeira de Ponte de Lima do lado de fora, porque corria o risco de ser expulso da Aldeia Olímpica e isso eu não queria. Só podemos apelar aos nossos países. Mas nas próximas horas vou mostrar o vídeo do meu quarto, onde tinha fotos da minha família e as bandeiras de Portugal e de Ponte de Lima”, contou.

Terceiro classificado com um tempo de 3.22,478 minutos, atrás dos húngaros Balint Kopasz, novo recordista olímpico, com 3.20,643, e Adam Varga (3.22,431), Pimenta desejou que o “acolhimento” que teve neste dia, se possa repetir para outros jovens de Ponte de Lima que, “num futuro próximo”, se venham a “distinguir no desporto ou na cultura”.

Ao juntar o bronze de Tóquio2020 com a prata de Londres2012, alcançada em K2 1.000 metros, com Emanuel Silva, o atleta passou a ser o quinto português com mais de uma medalha olímpica, após Carlos Lopes, Rosa Mota, Fernanda Ribeiro e o cavaleiro Luís Mena e Silva, e incentivou precisamente os mais jovens a terem “sonhos”, mesmo que, por vezes, pareçam “impossíveis” de se concretizar.

“Quero que tenham sonhos, objetivos de vida em que acreditem, porque só assim vão conseguir chegar a uma medalha destas, por exemplo. Quando deixamos de sonhar, deixamos de viver. Vão aparecer sempre desafios e obstáculos, vão aparecer sempre pessoas que dizem que é impossível e que não dá, mas acreditem e procurem o apoio da família e dos amigos”, disse.

Entre as pessoas que receberam o medalhado olímpico, a maioria envergava ‘t-shirts’ brancas com a inscrição “Obrigado, Fernando Pimenta”. A entrega desses adereços estava a cargo dos atletas do Clube Náutico de Ponte de Lima, entidade que organizou a receção ao medalhado olímpico, a par da Câmara Municipal de Ponte de Lima.

Small ads

Highlight option

Turn on the "highlight" option for any widget, to get an alternative styling like this. You can change the colors for highlighted widgets in the theme options. See more examples below.

Flickr

  • la muchacha du Louvre
  • happy hour
  • le senior des Panoramas
  • a touch of Africa
  • abysmal tale
  • la boulangerie
  • la  boulangère
  • Machiko
  • rue des Barres