Altominho.tv

Câmara de Monção aprova investimento de 1,2 ME em nova zona empresarial

A Câmara de Monção aprovou esta quarta-feira, por unanimidade, investir mais de 1,2 milhões de euros na criação de uma Zona Empresarial Responsável do Alto Minho (ZERAM), a “primeira Zona Empresarial Responsável (ZER) do Norte do país”.

“A ZERAM assumir-se-á como um pólo aglutinador e dinamizador do Vale do Mouro com capacidade para atrair empresas, incentivar a criação de novas estruturas, valorizar o equilíbrio ambiental e aumentar os níveis de empregabilidade na região”, sublinhou o presidente da Câmara de Monção, António Barbosa, citado em um comunicado enviado à imprensa.

No documento, o município presidido pelo social-democrata, referiu que a adjudicação da ZERAM, a instalar na freguesia de Messegães, será comparticipada pelo Programa de Apoio à Localização de Empresas de Baixa Densidade (Norte 2020).

A ZERAM “compreende uma área infraestruturada de 4,2 hectares, destinada a 12 lotes industriais e um para serviços partilhados”.

Na reunião camarária hoje realizada, por videoconferência, foi aprovado “o relatório final da empreitada do pólo industrial do Vale do Mouro e adjudicou a execução dos trabalhos à empresa de Monção Duque e Duque, Terraplanagens, Lda, pelo valor de 1.242.311,37 euros, imposto incluído”.

“Denominada Zona Empresarial Responsável do Alto Minho (ZERAM), primeira Zona Empresarial Responsável (ZER) do norte do país, trata-se de uma área de acolhimento empresarial, localizada em Messegães, com condições funcionais e atrativas para a fixação e competitividade das empresas”

“O ordenamento inteligente e coerente deste empreendimento, com fácil e adequada articulação dos espaços, concede à ZERAM uma configuração de elevada qualidade e flexibilidade, ajustada às necessidades empresariais e à competitividade das pequenas e médias empresas”, sustenta o município.

A “ZERAM apresenta-se aos investidores com uma vertente inovadora e diferenciadora, acompanhando as novas tendências de gestão de áreas empresariais, através da promoção do ordenamento do território e da valorização da componente ambiental”.

Dotada de “serviços agregadores e potenciadores de simbiose industrial e economia circular, este novo empreendimento empresarial revela-se atrativo à captação de investimento, quer pelas condições de funcionalidade apresentadas, quer pela proximidade geográfica à Galiza”.