Altominho.tv

Cerveira e Tomiño reforçam apelo para criação de medidas de impulso à cooperação transfronteiriça

Os autarcas dos concelhos de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño, na Galiza, lançam um apelo às autoridades portuguesas e espanholas para reforçar a necessidade de incrementar medidas de recuperação e impulso à cooperação transfronteiriça, como forma de colmatar o duplo impacto negativo sentido durante a crise sanitária e agravado pelo fecho de fronteiras.

“Os planos nacionais de recuperação pós-Covid19 devem ter uma linha de apoio específica para os concelhos limítrofes com a fronteira Portugal-Espanha, e que pode integrar o debate da próxima cimeira hispano-lusa”. Esta foi a principal conclusão da jornada de trabalho da Eurocidade Cerveira-Tomiño realizada, esta quinta-feira, em Tomiño, entre os autarcas dos concelhos vizinhos com o Diretor-Geral das Relações Exteriores e com a UE da Xunta de Galicia, Jesus Gamallo, o diretor da AECT Rio Minho, Uxío Benitez, e representantes diretivos da AECT Galiza-Norte de Portugal.

A autarca de Tomiño, Sandra González, e o presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, Fernando Nogueira, lembraram a importância de ambos os Governos reconhecerem a singularidade da realidade educativa, socioeconómica, cultural e comercial das Eurocidades, perante “o esforço realizado nos últimos anos para não duplicar serviços, atendendo a critérios de eficiência e aos princípios promovidos pela União Europeia”, e que ficaram gravemente comprometidos por “um encerramento de fronteiras que ignorou estas situações particulares”.

A Eurocidade Cerveira-Tomiño e os responsáveis pelo AECT Rio Minho sublinharam ainda “o território transfronteiriço do rio Minho como evidência da vitalidade das relações entre a Galiza e o Norte de Portugal, e a vontade de assumir uma cooperação estratégica entre os habitantes e instituições euro-regionais”.

Ainda na segunda-feira, em conferência de imprensa na ponte internacional que liga Melgaço a Arbo, 14 autarcas do Vale do Minho e de concelhos galegos banhados pelo rio Minho, numa ação concertada pelo AECT Rio Minho, apresentaram algumas medidas compensatórias, nomeadamente a operacionalização de um “Cartão de Cidadão” Transfronteiriço, a implementação de uma ITI – Intervenção Territorial Integrada de dimensão transfronteiriça, e a dinamização de um programa de apoio específico ao comércio local dos concelhos transfronteiriços.