Altominho.tv

Ponte de Lima empresta esta semana 75 ‘tablets’ a alunos carenciados

O presidente da Câmara de Ponte de Lima, Victor Mendes disse hoje que o município vai emprestar, esta semana, 75 ‘tablets’ e fornecer o acesso à internet para garantir o ensino à distância de alunos carenciados do concelho.


Em declarações à agência Lusa, o autarca do CDS-PP adiantou que os equipamentos “já se encontram nos vários agrupamentos de escolas como suporte a vários projetos pedagógicos”.
“O levantamento das necessidades foi efetuado e apresentado à autarquia pelos diretores dos agrupamentos de escolas, sendo que os mesmos também vão gerir a entrega dos equipamentos aos alunos, mediante a assinatura de um termo de responsabilidade”, referiu Victor Mendes.


A Câmara de Ponte de Lima, no distrito de Viana do Castelo, “também vai fornecer o acesso à Internet, durante três meses, a 250 famílias referenciadas pelos quatro agrupamentos de escolas, num investimento de 18 mil euros, sendo que os dispositivos deverão ser entregues esta semana nas escolas”.
Desde 16 de março que todos os estabelecimentos de ensino estão encerrados, por decisão do Governo para tentar controlar a disseminação do novo coronavírus, que já infetou cerca de 20 mil pessoas em Portugal.
Mais de dois milhões de crianças e jovens, desde creches ao ensino superior, ficaram em casa e a maioria tem aulas à distância através de plataformas ‘online’ ou trocas de ‘emails’ com os seus professores. 


Victor Mendes acrescentou que o município de Ponte de Lima “adquiriu 70.000 máscaras, num investimento aproximado de 150 mil euros, sendo que uma grande parte deste material está a ser distribuído às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e aos Bombeiros Voluntários”, revelando que, nesta fase, não está prevista a distribuição de máscaras de uso comunitários à população do concelho.


Portugal regista 735 mortos associados à covid-19 em 20.863 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.


Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o decreto presidencial que prolongou a medida até 02 de maio prevê a possibilidade de uma “abertura gradual, faseada ou alternada de serviços, empresas ou estabelecimentos comerciais”.