Eleições intercalares na freguesia de Paderne marcadas para 28 de julho

As eleições intercalares para a freguesia de Paderne, em Melgaço, distrito de Viana do Castelo, vão realizar-se a 28 de julho, de acordo com um despacho do Governo publicado hoje em Diário da República (DR).

O despacho, assinado pelo secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Manuel Soares Miguel, refere ter ocorrido um “equívoco” na data inicialmente marcada, 07 de julho, procedendo agora à “correção” e apontando o dia 28 de julho como a data “correta” para realização das eleições naquela freguesia de Melgaço.

A primeira data para as intercalares tinha sido publicada em DR no dia 15 de maio, na sequência da comunicação, pelo presidente da Câmara de Melgaço, da “renúncia de 35 eleitos para a assembleia de freguesia de Paderne, carecendo o órgão de condições de funcionamento por inexistência do número legalmente necessário de membros em efetividade de funções”.

No mesmo despacho, o secretário de Estado das Autarquias Locais nomeou a Comissão Administrativa, composta Rui Pinho, que liderava a Junta de Freguesia, e Carlos Alberto Rodrigues, ambos da lista de independentes Amigos de Paderne (AP), e Vítor Jorge de Castro Rodrigues, do PS.
A freguesia de Paderne encontra-se em gestão corrente desde dezembro de 2018, na sequência da rejeição do Plano de Atividades e Orçamento para 2019.

Contactado hoje, o presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista, disse desconhecer a existência de listas concorrentes ao ato eleitoral de 28 de julho. O autarca socialista referiu que “a data do novo ato eleições só agora foi conhecida e que as novas listas ainda deverão estar em construção”.

Nas eleições autárquicas de outubro de 2017, e de acordo com dados do Ministério da Administração Interna, o movimento Amigos de Paderne (AP) venceu com 34,87% dos votos, garantindo três mandatos na Assembleia de Freguesia, o PS somou 33,09%, igualando o número de mandatos (3), e o movimento Tudo por Paderne (TP) ficou com outros três lugares, ao alcançar 28,04% dos votos.

Fonte: Lusa