FAPAS pede à Câmara de Arcos de Valdevez anulação de evento organizado por caçadores

O Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens (FAPAS) pediu à Câmara Municipal de Arcos de Valdevez a anulação de umas jornadas ambientais, por serem promovidas por associações ligadas à caça, mas o presidente disse que o evento não é de organização municipal.

Em causa, segundo um comunicado enviado hoje pelo FAPAS à agência Lusa, está a primeira edição das Jornadas Internacionais – Sustentabilidade Económica dos Espaços Ordenados e Protegidos que vai decorrer nos dias 13 e 14 de abril, em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo.

Segundo o FAPAS, a iniciativa é promovida pelo Clube Português de Monteiros e o Safari Clube Internacional – Lusitânia Chapter, com o apoio do Município de Arcos de Valdevez, do Ministério da Agricultura, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), do Turismo do Norte e com a anunciada presença do Ministro do Ambiente e do Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural”.

“O FAPAS apela à Câmara Municipal de Arcos de Valdevez para que anule este evento e ao Ministro do Ambiente e ao Secretário de Estado das Florestas para que nele não participem”, lê-se na nota.

Contactado pela Lusa, o Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, João Manuel Esteves, referiu que o Município “apenas apoia o evento” e adiantou que o pedido para a sua anulação “deve ser dirigido à organização”.

No entanto, João Manuel Esteves referiu que o tema das jornadas “é, e sempre foi, do interesse” do concelho de Arcos de Valdevez, integrado no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) “assim como deve ser um tema de interesse para todos”.

O autarca social-democrata adiantou que “a caça, desde que devidamente enquadrada na lei e na preservação da natureza é uma atividade, tal como é reconhecido por todos, de grande relevância económica”.

João Manuel Esteves referiu também a autarquia vai apoiar as XX Jornadas sobre Conservação da Natureza e Educação Ambiental, que o FAPAS vai organizar dias 27 e 28 de abril, em Arcos de Valdevez.

Já a associação de defesa dos animais selvagens afirma que “perante o anúncio destas jornadas de propaganda da caça, irá repensar o programa do evento e usá-lo para um adequado esclarecimento sobre a caça no PNPG”.

Em causa está a preservação da cabra-brava do Gerês, que o FAPAS diz ter sido dada como extinta em 1892 “devido ao excesso de caça” e que “regressou a Portugal em 1998.

“Ao fim de 20 anos de repovoamento da espécie, já a querem caçar, provavelmente para a levar de novo à extinção”, frisou a organização ambientalista.

Fonte: Lusa

Redes Sociais

Mais de 50.000 pessoas acompanham a Altominho.tv nas principais redes sociais. Junte-se à nossa comunidade no Facebook, Twitter, Youtube e Instagram.
Acompanhe-nos nesta viagem pelo Alto Minho!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com