Altominho.tv

Valença e Tui recebem seis concertos na 9.ª edição do IKFEM

O International Keyboard Festival & Masterclass (IKFEM) está de regresso a Valença e Tui de 18 a 22 de agosto. A 9.ª edição do festival que tem como fio condutor os instrumentos de teclas volta a unir as margens e, ao longo de cinco dias, apresenta concertos presenciais e ao ar livre.

Mantendo o diálogo entre as culturas, o IKFEM pretende, desde a sua primeira edição, fortalecer uma ponte entre Portugal e Espanha através da música. O fadista Marco Rodrigues, o pianista Miguel Borges Coelho e o cantor João Afonso são alguns dos protagonistas deste ano.

O primeiro dia do IKFEM conta com as atuações de Marta Zabaleta e Miguel Borges que, no passeio fluvial de Tui, sede do Clube de Remo, apresentam “Os Bailados de Stravinsky a dois pianos”. No dia seguinte e no mesmo local, o fadista português Marco Rodrigues e o pianista andaluz Andrés Barrios mostram como o fado, o jazz e o flamenco se podem cruzar.

Na sexta-feira, dia 20, o IKFEM muda a localização para a Fortaleza de Valença e, no Jardim das Amoreiras, terá atuações do Simant Duo que junta o trompetista Rubén Simeó e o pianista Antonio Morant, que vão interpretar interpretam bandas-sonoras e temas populares. No mesmo dia, no passeio fluvial de Tui, Eugenio Muñoz e Luis Delgado trazem música eletrónica em Mecánica Popular.

No sábado, a compositora e pianista Sheila Blanco apresenta, na Fortaleza de Valença, poemas musicados, numa homenagem a autoras como Carmen Conde, Ernestina de Champourcin, Concha Méndez ou Pilar de Valderrama.

No domingo, mantém-se a localização na margem portuguesa do rio Minho, e o pianista argentino Juan Carlos Cambas – que acompanhou Dulce Pontes ao longo de uma década – traz “A Viaxe” ao encerramento do festival, que partilha com ícones da cultura galega e portuguesa: Uxía, João Afonso, Rosa Leiro e Bellón-Maceiras.

Os bilhetes para os concertos em Valença são gratuitos, mas carecem de reserva. Já os ingressos para os concertos em Tui estão à venda pelo valor de seis euros.

O festival foi criado em 2013 pela pianista Andrea González, através da Associação Xuventudes Musicais de Tui, com o objetivo de criar um espaço de enriquecimento cultural, onde não existam fronteiras geográficas, culturais e estéticas.