Altominho.tv

Alto Minho e Galiza querem todas as pontes abertas para exceções

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho exigiu esta sexta-feira que todas as pontes entre o Alto Minho e a Galiza sejam abrangidas pelo controlo terrestre de fronteiras com Espanha, permitindo a passagem de trabalhadores transfronteiriços.

Em março, durante o primeiro confinamento geral, com a reposição do controlo de fronteiras entre Portugal e Espanha, o único ponto de passagem autorizado para trabalhadores transfronteiriços e transporte de mercadorias, era a ponte nova sobre o rio Minho, que liga Valença e Tui.

Após vários protestos conjuntos, Portugal e Espanha acordaram a abertura das pontes que ligam o concelho de Melgaço a Arbo, Monção a Salvaterra do Miño, e Vila Nova de Cerveira a Tomiño, algo que o AECT, que abrange 10 municípios portugueses e 16 concelhos galegos, quer ver agora repetido.

“No primeiro confinamento, só após vários protestos conjuntos é que vingou o bom senso e foi autorizada a abertura de todas as travessias entre Portugal e Espanha, recorrendo ao controlo pelas autoridades. Aguardaremos pela publicação oficial, mas desta vez esperamos que não se repita o mesmo erro do encerramento de março”, referiu o diretor do AECT Rio Minho, Fernando Nogueira, em comunicado.

Na quinta-feira, o Conselho de Ministros decidiu limitar as deslocações para fora do território continental, por qualquer meio de transporte, e repor o controlo nas fronteiras terrestres.

“Aprovou-se a limitação às deslocações para fora do território continental por parte dos cidadãos portugueses efetuadas por qualquer via, designadamente rodoviária, ferroviária, aérea, fluvial ou marítima”, precisou a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou a medidas que regulamentam o novo estado de emergência até 14 de fevereiro.

A ministra disse ainda que o Governo decidiu repor o controlo de pessoas nas fronteiras terrestres, estando também prevista a possibilidade de suspensão de voos e de determinação de confinamento de passageiros à chegada quando a situação epidemiológica assim o justificar.

Esta sexta-feira, o diretor do AECT Rio Minho, que também é presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, considerou que, “no caso específico do Alto Minho e da Galiza” a reposição daquele controlo “não é mais do que uma redundância”.

“A verdade é que, neste momento, as relações transfronteiriças nesta região encontram-se suspensas, com a Galiza totalmente autoconfinada, isto é, não pode haver circulação entre ambas as margens ou com regiões espanholas até, pelo menos 17 de fevereiro, salvo exceções consideradas essenciais e devidamente justificadas”, disse Fernando Nogueira.

O responsável adiantou que o anúncio da ministra da Presidência fez referência a um “controlo de pessoas semelhante ao que vigorou no anterior confinamento geral” e reivindicou “a abertura de todas as travessias acautelando rotinas diárias e casos muito específicos da raia”.

“Esperemos que se esteja a referir à segunda fase desse período quando, por persistência dos municípios banhados pelo rio Minho, através do AECT Rio Minho, reivindicaram a abertura de todas as travessias acautelando rotinas diárias e casos muito específicos desta raia”, disse.

“O que estava a acontecer em março do ano passado foi obrigar milhares de trabalhadores transfronteiriços a percorrer diariamente centenas de quilómetros desnecessários, devido à existência de um único ponto de apoio de circulação – Valença e Tui”, acrescentou.

Fernando Nogueira sublinhou a necessidade de o “Governo manter, nesta fase, as exceções para os trabalhadores transfronteiriços, as necessidades de passagem por motivos de saúde, por regresso a casa de cidadãos que vivam em Portugal e as mercadorias internacionais”.

“Esta medida só prova, uma vez mais, que a reivindicação do AECT Rio Minho da criação de um cartão do cidadão transfronteiriço é indispensável para vivência social e para a economia destas regiões de fronteira. Sem margem para dúvidas que estamos a viver uma grande e grave crise sanitária, social e económica de âmbito mundial”, reforçou.

O diretor do AECT Rio Minho insistiu “que, passada a tempestade, a bonança tem de chegar para todos, e os concelhos de fronteira e as suas populações têm de ser considerados por ambos os Governos, de forma a não voltar a cair no esquecimento”.

“Há ainda a emergente necessidade de os territórios transfronteiriços aplicarem a figura da ITI – Intervenção Territorial Integrada para o período 2021-2027, com o propósito de autorizar um programa de ação concertado para o próximo período de programação de fundos comunitários. Têm de ser verdadeiramente alocados fundos europeus como medida compensatória a este duplo duro golpe socioeconómico sentido na raia minhota”, alertou.

Com sede em Valença, o AECT do rio Minho foi Constituído em fevereiro de 2018 e abrange um total de 26 concelhos: os 10 municípios do distrito de Viana do Castelo que compõe a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra.

Small ads

Highlight option

Turn on the "highlight" option for any widget, to get an alternative styling like this. You can change the colors for highlighted widgets in the theme options. See more examples below.

Flickr

  • Céline
  • Celia
  • boston
  • rencontre
  • witnesses
  • yunited
  • l'échappée
  • Verseaux
  • poly-mirror