Altominho.tv

PSD questiona Governo sobre encerramento de três fronteiras no Alto Minho

Os deputados do PSD eleitos pelo Alto Minho querem saber se o Governo vai “rever” o fecho das pontes que ligam Melgaço, Cerveira e Ponte da Barca à Galiza, por considerarem que cria “graves prejuízos” aos trabalhadores transfronteiriços.

Numa pergunta dirigida ao ministro da Administração Interna, os deputados Emília Cerqueira, Jorge Mendes e Eduardo Teixeira sublinham que “todos os autarcas” da eurorregião “estão contra” aquela decisão, “que dizem ser altamente lesiva da economia e da vida daquela região transfronteiriça com mais população”.

Na sexta-feira, o Ministério da Administração Interna (MAI) explicou que há oito pontos de passagem permanentes (24 horas por dia), cinco pontos de passagem autorizados nos dias úteis das 07h00 às 09h00 e das 18h00 às 20h00, e um ponto de passagem autorizado (Rio de Onor) às quartas-feiras e aos sábados das 10h00 às 12h00.

Os oitos pontos permanentes são em Valença, Vila Verde da Raia, Quintanilha, Vilar Formoso, Marvão, Caia, Vila Verde e Castro Marim.

Os cinco pontos de passagem nos dias úteis (entre as 07h00 e as 09h00 e entre as 18h00 e as 20h00) são Monção, Miranda do Douro, Termas de Monfortinho, Mourão e Barrancos.

No distrito de Viana do Castelo, foi decidido manter a Fronteira de Valença/Tui aberta para todo o tipo de circulação e a fronteira de Monção/Salvaterra do Miño apenas para circulação de trabalhadores transfronteiriços, encerrando as fronteiras de Melgaço/Arbo, Vila Nova de Cerveira/Tomiño no Vale do Minho e a Madalena no Vale do Lima.

Em março de 2020, durante o primeiro confinamento geral, com a reposição do controlo de fronteiras entre Portugal e Espanha, o único ponto de passagem autorizado para trabalhadores transfronteiriços e transporte de mercadorias, era a ponte nova, uma das duas que ligam Valença e Tui.

Após vários protestos dos autarcas dos dois lados do rio Minho, Portugal e Espanha acordaram a abertura das pontes que ligam o concelho de Melgaço a Arbo, Monção a Salvaterra do Miño, e Vila Nova de Cerveira a Tomiño, o que não aconteceu com a fronteira da Madalena, que reabriu a 01 de julho.

Caminha é o único concelho do Alto Minho sem ponte de ligação à La Guardia, na Galiza. A travessia do rio Minho é assegurada pelo ‘ferryboat’ Santa Rita de Cássia, que também se encontra parado.

Os três deputados eleitos pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo querem ainda saber se o Governo vai “criar mecanismos de compensação aos trabalhadores transfronteiriços e às economias locais por forma a compensá-las dos prejuízos decorrentes deste encerramento e pelo tempo que este durar”.

Small ads

Highlight option

Turn on the "highlight" option for any widget, to get an alternative styling like this. You can change the colors for highlighted widgets in the theme options. See more examples below.

Flickr

  • Céline
  • Celia
  • boston
  • rencontre
  • witnesses
  • yunited
  • l'échappée
  • Verseaux
  • poly-mirror