PCP questiona Governo sobre situação laboral de 40 trabalhadores em funções no hospital de Viana

O PCP questionou o Governo sobre a situação laboral de 40 trabalhadores que exercem funções para uma empresa que presta serviços na Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), em Viana do Castelo.

No requerimento enviado ao Ministério do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Carla Cruz explica ter reunido com aqueles trabalhadores que a informaram de “um conjunto de atropelos aos seus direitos” como o pagamento de “salários diferentes a trabalhadores que exercem as mesmas funções, pressão e chantagem para não gozarem os direitos de maternidade ou parentalidade”.

“No caso das mulheres lactantes, pressiona para que não gozem a redução de horário prevista. Foi também mencionado que a empresa recorre a trabalho precário, estando trabalhadores contratados a recibos verdes, contratos a termo apesar de as necessidades serem permanentes”, especifica a deputada do PCP.

Segundo Carla Cruz “estarão nesta situação cerca de 40 trabalhadores das mais diversas profissões de saúde, assistentes operacionais e técnicos, assim como técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica”.

O PCP destaca que a ULSAM “concessionou há vários anos o serviço de imagiologia e quer saber que medidas irão ser tomadas pelo Governo para que “sejam cumpridos e respeitados os diretos de parentalidade a todos os trabalhadores”.

Fonte: Lusa