Altominho.tv

Vinte e três crianças iniciam formação nos bombeiros em Arcos de Valdevez

Vinte e três crianças, a partir dos seis anos, começam este sábado a formação de bombeiro na escola de infantes e cadetes criada pela corporação de Arcos de Valdevez, disse à Lusa o comandante Filipe Guimarães.
“Os 23 infantes e cadetes receberão informação sobre a organização do corpo de bombeiros, hierarquias e ordem unida”, adiantou o comandante dos bombeiros voluntários de Arcos de Valdevez.
Segundo Filipe Guimarães “a primeira aparição pública dos 23 infantes e cadetes numa cerimónia oficial será no dia 25 de Abril, na formatura nos Paços do Concelho”.
Com a designação “Pinguinhas”, a escola “tem como principal objetivo promover a instrução inicial para um possível ingresso na carreira de bombeiro, formando os jovens nas temáticas da proteção e socorro, ao mesmo tempo procurando fazer com que estes se tornem cidadãos conscientes, fomentando-lhes valores morais e éticos de cidadania”.
“Com o arranque desta escola estamos a preparar o futuro da corporação, incutindo nestas crianças e jovens o bichinho da profissão de bombeiro”, referiu.
O responsável adiantou que a escola, destinada a crianças e jovens, com idades entre os seis e os 16 anos, “está aberta a novos candidatos a bombeiros”.
“Por enquanto não estabelecemos um limite de participantes. Se o número de inscritos crescer muito terei de equacionar constituição de duas turmas”, avançou.
A escola, irá funcionar aos sábados, entre as 10:00 às 12:00, sendo que os custos dos fardamentos dos alunos são suportados pelos pais.
A formação, a ministrar no quartel da corporação, será feita “sob a responsabilidade e a orientação do comandante do corpo de bombeiros e da equipa de bombeiros formadores”.
A “solidariedade, tolerância e entreajuda sem exclusões nem omissões são metas atingir com serenidade, coragem e sabedoria, fortalecendo a amizade e adotando atitudes positivas e dinâmicas”, são algumas das premissas da escola.
A componente pedagógica dos infantes e cadetes incidirá “nas relações interpessoais, organização de bombeiros, ordem unida, preparação física, comunicações, veículos e equipamentos, eletricidade, hidráulica, construção civil, socorrismo, nós e ligações, fenomenologia da combustão, agentes extintores, incêndios florestais, incêndios urbanos e industriais, matérias perigosas, entre outras”.
Além da componente pedagógica, os alunos da escola “Pinguinhas” participarão nas formaturas em dias de cerimónias oficiais ou religiosas, nas atividades do dia da unidade, acampamentos e outras atividades relacionadas com a defesa e prevenção da natureza e do ambiente, entre outras.
“Os ‘Pinguinhas’ garantirão, em termos operacionais, certamente um futuro muito risonho à associação, onde o lema ‘Vida por Vida’ continuará a pautar-se pelo espírito voluntarioso, de equipa e onde as dificuldades são um estímulo para todos aqueles que sabem e querem lutar”, sustentou Filipe Guimarães.