Altominho.tv
IPVC

Projeto de 4ME cria escola do politécnico de Viana do Castelo para servir empresas

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) vai apresentar, na quinta-feira, a nova escola virtual, de formação pós-graduada, criada ao abrigo de um projeto de quatro milhões de euros que pretende qualificar os ativos das empresas regionais.

A Alto Minho Business School vai funcionar com aulas presenciais, à distância ou num regime misto, integrando a oferta formativa nos seis estabelecimentos de ensino superior que tem espalhados pelo distrito de Viana do Castelo, em articulação com as três unidades de investigação que detém (CISAS, PROMETHEUS, ADiTLAB).

As aulas presenciais começaram este mês, com dois Cursos de Técnico Superior Profissional (CTeSP), e arrancam em formato ‘online’ no próximo ano letivo.

A nova aposta formativa do IPVC foi criada ao abrigo do projeto BAITS – Business, Art, Innovation, Technology, Sustainability, financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), Norte 2030 e pela Estratégia Alto Minho 2030.

Entre os parceiros do BAITS-IPVC encontram-se as escolas secundárias e profissionais, a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, as câmaras municipais, o DataColab, a In.Cubo, o CITIN, as confederações, as associações de desenvolvimento local, empresas e outras entidades do setor social e da saúde.

O projeto de quatro milhões de euros inclui ainda a implementação do Programa “Engenheiras Por Um Dia”, iniciativa da Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade.

Através do BAITS, que vai ser apresentado na quinta-feira na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), com presença anunciada da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, o IPVC “vai disponibilizar programas de formação, integração, apoio, aconselhamento e orientação para jovens e adultos”.

Em nota enviada hoje à imprensa, a instituição de ensino superior explicou que serão desenvolvidos ‘bootcamps’ e semanas de verão STEAM (Ciências, Tecnologias, Engenharias, Artes e Matemática) para jovens do 9.º ao 12º ano de escolaridade, ano zero e e novos cursos técnicos superiores profissionais.

A “implementação destes programas pretende aumentar o número de jovens no IPVC a estudar nas áreas STEAM (Ciências, Tecnologias, Engenharias, Artes e Matemática), respondendo assim às necessidades do mercado de trabalho”.

O projeto incluiu ainda a abertura de seis novos CTESP, nas áreas das indústrias biotecnológicas, mecânica automóvel, sistemas elétricos de energia, fabricação aditiva e programação CNC, arte e fabricação digital, bem como marketing digital e ‘E-Commerce’.

Já para o público adulto serão disponibilizados sete novas pós-graduações, dois mestrados e 16 formações de curta duração.

O projeto prevê ainda a atribuição de novos apoios e bolsas.

“Por exemplo, os alunos que concluírem com sucesso o primeiro ano do CTESP poderão candidatar-se a bolsas e incentivos para apoio ao seu período de estágio”, especifica o IPVC.

A “atribuição de prémios de mérito para quem conclua com sucesso o ano zero” é outra das novidades nos apoios, estando previstas bolsas de alojamento para estudantes internacionais, migrantes e refugiados.

“Com o objetivo de mitigar a desigualdade de género em determinadas áreas de formação, em particular nas áreas STEAM, o IPVC disponibiliza no âmbito deste projeto um conjunto de novos incentivos e apoios”, refere o IPVC.

Com cerca de cinco mil alunos, o IPVC tem seis escolas – de Educação, Tecnologia e Gestão, Agrária, Enfermagem, Ciências Empresariais, Desporto e Lazer -, ministrando 28 licenciaturas, 40 mestrados, 34 CTESP e outras formações de caráter profissionalizante.

Além das escolas superiores de saúde, educação e tecnologia e gestão, situadas em Viana do Castelo, o IPVC tem escolas superiores instaladas em Ponte de Lima (Agrária), Valença (Ciências Empresariais) e Melgaço (Desporto e Lazer).