Altominho.tv

Concluída ampliação de 800 mil euros em ETAR de Ponte de Lima

A ampliação da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Freixo, em Ponte de Lima, anunciada em 2016 para servir 3.500 habitantes, ficou concluída e vai ser inaugurada na quinta-feira, foi hoje divulgado.


Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Ponte de Lima, no distrito de Viana do Castelo, Victor Mendes, adiantou que a empreitada, no valor total de mais de 833 mil euros, foi iniciada em 2017 e “entrou em funcionamento este ano”.


“A obra é anterior à constituição da empresa Águas do Alto Minho (AdAM). No entanto, com a adesão do município de Ponte de Lima à empresa, esta infraestrutura foi cedida à AdAM mediante protocolo de cedência à semelhança dos restantes equipamentos”, explicou Victor Mendes (CDS-PP).


A AdAM é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% pelos municípios de Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PSD), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (Movimento independente PenCe – Pensar Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.


Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – reprovaram a constituição daquela parceria.


Victor Mendes acrescentou que a ampliação, que vai ser inaugurada na quinta-feira às 11:00, com a presença prevista da secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, “foi comparticipada em cerca de 60% por fundos do Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR)”.


Em 2016, a autarquia indicou que a ETAR, “com mais de 20 anos”, se encontrava “em condições menos eficientes”.


A empreitada iria permitir “colmatar problemas de eficiência da infraestrutura, que por ser antiga não dá resposta ao aumento de caudal provocado pelo elevado número de ligações ao sistema, por força da expansão de redes públicas de recolha de saneamento”.


A ETAR “tem capacidade para servir entre outros equipamentos públicos, a escola EB 2,3 de Freixo, a piscina municipal, um lar de idosos, a casa do Povo, a GNR e os bombeiros voluntários”.


Em 2018, após uma visita às obras, o executivo municipal avançou que o equipamento “insuficiente, obsoleto e limitado” implicou “a demolição de todas as infraestruturas existentes e a construção de uma nova ETAR, no mesmo local”.


A nova ETAR tem capacidade “para servir no total 3.500 habitantes, da freguesia de Ardegão, Freixo e Mato”, e permitiu “alargar a rede de saneamento da zona sul do concelho e edificar uma infraestrutura de qualidade que respeite as normas ambientais, para que toda a rede de saneamento existente passe a ter tratamento adequado”.


A nível técnico “a nova ETAR traduz-se numa estação de tratamento compacta e modular”, sendo que “o esquema de tratamento desenvolvido é o que se afigura mais vantajoso, quer em termos económicos, quer em termos operacionais, tendo em consideração o quantitativo populacional a servir e o quadro normativo aplicável à descarga das águas residuais”.


O sistema de tratamento “é composto por uma fase líquida e uma fase sólida. A fase líquida tem por base um sistema de tratamento biológico por lamas ativadas de biomassa fixa, operado em regime de arejamento prolongado”.


Já o “tratamento biológico será precedido de uma gradagem grossa manual seguida de um pré-tratamento, constituído pelas operações de tamisação, desarenamento e desengorduramento”.


“Esta fase que compreende o tratamento biológico será concretizada em quatro reatores em série, um tanque anóxico, dois reatores MBBR (‘Moving-Bed Biofilm Reactor’) e um reator intermédio que permitirão efetuar a remoção da matéria orgânica carbonácea, remoção do azoto, através do processo de nitrificação e desnitrificação”, especifica o município.


Segundo a autarquia, “o efluente será encaminhado para os decantadores secundários, que permitirão a separação da fase líquida da sólida e cujo tratamento de lamas compreende a sua elevação para espessamento, para posterior transferência para a desidratação, o armazenamento em silo e posteriormente e encaminhadas para aterro sanitário”.