Altominho.tv

Viana do Castelo inicia em abril auscultação do perfil de saúde da população

O vereador da Promoção da Saúde da Câmara de Viana do Castelo anunciou esta sexta-feira o início, em abril, da auscultação à população entre outras ações a realizar até dezembro que visam definir uma Estratégia Municipal entre 2022 e 2026.

“A partir do mês de abril vamos desenvolver um conjunto de diligências para a implementação de Estratégia Municipal para a Promoção da Saúde”, afirmou Ricardo Rego.

Em conferência de imprensa realizada através de videoconferência, o autarca referiu que a primeira ação, a iniciar-se em abril, passa pela “realização de questionários para definição do perfil de saúde dos vianenses”. Destacou ainda, “entre os meses de maio e junho, a criação na Praia Norte de um Centro de Investigação e Inovação de Saúde na Comunidade”.

O centro resulta de uma parceria entre a autarquia, a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e a Escola Superior de Saúde (ESS) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC).

“É um projeto muito interessante da iniciativa dos Cuidados de Saúde Primários da ULSAM, que prevê consultas muito inovadoras, e que será apresentado posteriormente pela ULSAM”, referiu.

Segundo Ricardo Rego, os resultados da auscultação à população serão apresentados “em setembro” para “em dezembro ser apresentada a Estratégia Municipal para a Promoção da Saúde para 2022/2026”. “Procuraremos estabelecer uma Estratégia Municipal para a Promoção da Saúde contemplando estes quatro anos”, disse.

Questionado pelos jornalistas sobre a elaboração desta estratégica municipal durante o período previsto para as eleições autárquicas desde ano, o autarca disse que “as estratégias quando são criadas devem estar acima do que são ciclos políticos”.

“A estratégia deve, principalmente na saúde, basear-se em dados concretos da população para se definir uma política clara para ir ao encontro da população. Na saúde isso é elementar. Não pode acontecer de ciclos políticos. Tem de se basear em indicadores”, sublinhou.

Ricardo Rego adiantou que “por se atravessar um período de eleições deve ser dado um tempo para recolher informação”. “Tendo essa informação, o Conselho Municipal de Saúde, em parceria com o executivo municipal que estiver em exercício, com a ULSAM, têm os dados que precisam para definir e adotar a estratégia”.

Ricardo Rego justificou aquela estratégia com a “necessidade de redefinição da promoção da saúde às novas realidades”. “Temos de encetar um debate profundo de reconceptualização dos modelos e planos de saúde existentes de forma a permitir o acesso privilegiado da população a cuidados de saúde de nova geração, cada vez mais inovadores”, sustentou.

O vereador adiantou que para “meados de junho está prevista a constituição do Conselho Municipal da Saúde”, que o município de Viana do Castelo “não é obrigado a criar, mas que quer formar”.

“Nós estamos sob o espelho de uma Unidade Local de Saúde e, portanto, a descentralização de competências não se pode operar noutros concelhos. Uma Unidade Local de Saúde engloba os hospitais e centros de saúde e, por isso, a descentralização de competências não se aplica formalmente ao concelho”, explicou.

Ricardo Rego informou ainda que “desde 27 de fevereiro e até ao dia de hoje já foram vacinados 50% dos cerca de 10.180 utentes com 80 ou mais anos, bem como de pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas”.

Admitiu que o processo de vacinação contra a Covid-19 conheceu algum atraso motivado pelas dúvidas que se levaram quanto à administração da vacina da Astrazeneca, entretanto dissipadas, e estimou a inoculação de todas as pessoas incluídas nesta fase possa estar concluída “em abril ou maio”.