Altominho.tv

Viana do Castelo integra projeto transfronteiriço de valorização de fachadas retabulares

Viana do Castelo, Vila do Conde, Amarante e Braga vão investir 100 mil euros na valorização de edifícios religiosos com fachadas retabulares, no âmbito de um projeto conjunto a realizar com outras quatro localidades galegas.

Em causa, segundo a Câmara da capital do Alto Minho, está a candidatura “Valorização e Património Cultural”, aprovada por fundos do Portugal 2020, que “irá permitir conhecer melhor os edifícios religiosos e criar uma rota em volta das fachadas retabulares a norte do país”.

No norte do país, o projeto inclui a igreja de Santa Cruz, mais conhecida como Igreja de São Domingos, em Viana do Castelo, a Matriz de Vila do Conde, a Igreja de São Gonçalo, de Amarante, e a Igreja da Misericórdia de Braga.

Do lado espanhol, o projeto integra a Igreja de Santa Maria Maior e o Mosteiro Beneditino de Poio, ambos na província de Pontevedra, e a Igreja de São Martinho Pinário e Convento de S. Paio de Antealtares, em Santiago de Compostela, capital da Galiza.

“Ao todo, serão investidos 100 mil euros para valorizar o património cultural, assente em quatro componentes diferentes: um estudo de investigação, uma rota de edifícios religiosos que apresentam a fachada retabular clássica, um seminário internacional e um plano de comunicação”, explica a nota.

Segundo o município de Viana do Castelo, “o estudo de investigação assentará num trabalho rigoroso que permita clarificar aspetos menos conhecidos, nomeadamente quanto à autoria dos edifícios que apresentam a fachada retabular, que vão sendo associados a diversos arquitetos e mestres (a genealogia dos Lopes, com Mateus, João – Lopes – O Moço e Gonçalo, Frei Julião Romero ou Manuel Luís)”.

“Sabe-se que a construção do Convento Dominicano e Igreja de Santa Cruz de Viana do Castelo se deveu à ação de Frei Bartolomeu dos Mártires que, depois de visitar Viana nos inícios de 1560, e impressionado pela prosperidade da vila, decide fundar aí um convento com colégio anexo. Este estudo assume-se como muito importante para aclarar a vida e o pensamento desta figura ímpar na história religiosa portuguesa”, especifica a nota da autarquia de Viana do Castelo.

A criação de uma rota de edifícios religiosos que apresentam a fachada retabular clássica é outra das componentes do projeto, sendo que aquele itinerário “permitirá ligar estes espaços e relacioná-los não só do ponto de vista arquitetónico, como também relacionar as várias comunidades onde estão inseridas, todas situadas no Norte de Portugal e Galiza, regiões de profundas e ancestrais ligações culturais”.

Aquela rota, pretende dotar as regiões transfronteiriças de “um traço identitário comum, potenciador de novos fluxos turísticos, no âmbito do turismo religioso e do turismo cultural”.

O projeto prevê ainda “a realização de seminário internacional, a acontecer em Viana do Castelo, no qual se apresentarão reflexões de peritos e especialistas no âmbito da temática de valorização patrimonial e ainda um plano de comunicação que tem como objetivo publicitar e divulgar as restantes componentes da mesma, utilizando diferentes meios ou instrumentos, dirigidos a vários públicos”.