Altominho.tv

Melgaço assinala 25 de Abril com senhas da Revolução e minuto de silêncio pelas vítimas da Covid-19

As senhas da Revolução, o hastear da bandeira e um minuto de silêncio pelas vítimas da Covid-19 são algumas das iniciativas previstas para assinalar o 25 de Abril no município de Melgaço.

As comemorações arrancam com as senhas da Revolução dos Cravos na página de Facebook do Município: às 22h55 do dia 24 de abril vai ouvir-se a primeira senha da Revolução – E depois do Adeus, e às 00h20 a segunda senha – Grândola Vila Morena.

Na manhã do dia 25 de abril, pelas 10h00, decorrerá o hastear da bandeira nacional, com a presença do executivo melgacense e da presidente da Assembleia Municipal, que cumprirão um minuto de silêncio pelas vítimas da Covid-19.

À noite, pelas 21h00, o artista melgacense Bruno Pereira protagonizará o concerto “Melgaço canta liberdade” integrado na iniciativa All Music Fest. O momento será transmitido em direto da página de Facebook Bruno Pereira Music.

““Melgaço canta liberdade” pretende ser uma viagem pelo 25 de Abril e por temáticas tão importantes da cultura melgacense, como a Fronteira e a Emigração, mas acima de tudo recordar um importante momento da História do País: nascia a democracia, a liberdade. Foi com música que Portugal cantou liberdade no 25 de abril de 1974. É com música que Melgaço vai recordar o momento”, lê-se na nota enviada pela autarquia.

Para celebrar a data, o município lança também um desafio à população e a todos os seguidores da página de Facebook: contarem como foi e o que é a Revolução dos Cravos através de um desenho, pintura ou escultura. O repto será lançado na referida rede social e os trabalhos deverão ser entregues até dia 10 de maio. Serão depois expostos na Casa da Cultura de Melgaço numa mostra intitulada: “25 de Abril em Melgaço”.

“Não é, de todo, o momento mais simbólico da liberdade, mas é o melhor átimo para sentirmos e pensarmos na falta dela. Hoje, em virtude da pandemia do novo coronavírus, não temos a “liberdade” de sair de casa. Temos de nos recolher em casa, sempre que possível, para que quando tudo estiver bem, possamos sair em liberdade”, conclui o autarca de Melgaço, Manoel Batista.