APDL

Porto de Viana do Castelo movimentou 213 mil toneladas de mercadoria no primeiro semestre

O porto de Viana do Castelo movimentou 213 mil toneladas de mercadoria nos primeiros seis meses deste ano, mais 16,3% face ao período homólogo de 2018, tendo as exportações representado 74% daquela carga.

Em comunicado, a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) adiantou que “os granéis sólidos registaram o maior aumento, mais 139% face ao mesmo período de 2018”, e destacou um “forte crescimento dos agroalimentares, cerca de 42 mil toneladas, tornando-se nas principais mercadorias importadas através da infraestrutura portuária”. 

“O Porto de Viana do Castelo tem vindo a surpreender, pelo que se prevê que este seja o melhor ano dos últimos seis. É certo que esta infraestrutura dispõe de capacidade instalada e de condições para satisfazer as exigências da região e a prova está nos números hoje divulgados”, afirmou a administração da APDL. 

Segundo a administração do porto da capital do Alto Minho, “as exportações representaram 74% do movimento global do porto minhoto”, sendo “o papel kraft a principal mercadoria exportada”.   

Em fevereiro, adiantou a APDL, “iniciou-se a construção dos novos acessos rodoviários ao setor comercial do porto de Viana do Castelo, representando um investimento de 5,3 milhões de euros”.

Aqueles acessos, “pretende melhorar a acessibilidade à infraestrutura portuária, reforçando a sua competitividade e alargando o seu ‘hinterland’”.

Em causa está uma rodovia com 8,8 quilómetros, que ligará o porto comercial ao nó da Autoestrada 28 (A28) em São Romão de Neiva, permitindo retirar o tráfego de pesados do interior de vias urbanas.

A obra, “com prazo de execução de 18 meses”, é financiada pela Câmara Municipal de Viana do Castelo e pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Com Lusa