Alunos do ensino obrigatório das Escolas do Turismo de Portugal isentos de propinas

Os alunos do ensino obrigatório que frequentam as Escolas do Turismo de Portugal ficam isentos de propinas já a partir do próximo ano letivo, informou hoje aquele organismo.

O custo das inscrições e matrículas também vai ser reduzido em 50%, tanto para os alunos que frequentem cursos de nível IV, que corresponde aos que estão a cumprir a escolaridade obrigatória, como para os do nível V, que conferem Diploma de Técnico Superior Profissional com qualificação grau 5 do Quadro Nacional de Qualificações, segundo o comunicado enviado pelo Turismo de Portugal.

Adicionalmente, os alunos dos cursos de nível V que se matriculem nas escolas situadas em Lamego, Portalegre e Vila Real de Santo António têm um financiamento de 50%, no âmbito da aposta da organização na “diferenciação positiva das escolas situadas nos territórios de baixa densidade”.

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, sublinha, no mesmo comunicado, que “a formação de Recursos Humanos no Turismo é fundamental e é uma prioridade do Governo” e por essa razão foram reforçadas as vagas nas Escolas do Turismo de Portugal e criados novos cursos para responder à procura.

“O número de turmas e vagas para alunos dos cursos profissionais vai crescer cerca de 15%, procurando responder à necessidade de ter mais jovens a estudar nas áreas de Cozinha/Pastelaria, Restaurante/Bar e Alojamento Hoteleiro”, acrescenta o Turismo de Portugal.

Outra das novidades para o ano letivo 2019/2020 é a criação de um novo Curso de Especialização Tecnológica (CET) em Turismo da Natureza e Aventura, que substitui o CET em Turismo de Ar Livre.

“O objetivo é inverter a atual pirâmide de formação: queremos que 60% dos recursos humanos do setor seja qualificado com ensino secundário ou técnico profissional”, referiu o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, em comunicado.

Segundo o Estudo de Inserção Profissional, relativo a 2018, “os alunos formados nas Escolas do Turismo de Portugal têm uma taxa de empregabilidade de 94%”, sendo que a maioria (87%) trabalham nas áreas da Hotelaria e Restauração.

Os resultados deste estudo também demonstram que “em 2018, 33,8% dos empregados auferiam rendimentos no escalão entre 751 euros a 1.000 euros, o que significa um aumento de 26% face a 2017”.

A rede escolar do Turismo de Portugal é constituída por 12 escolas espalhadas pelo país: Porto, Douro/Lamego, Viana do Castelo, Coimbra, Oeste, Estoril, Lisboa, Portalegre, Setúbal, Vila Real de Santo António, Portimão e Faro.

Fonte: Lusa

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com