Cordeiro e espumante de Alvarinho celebram pela primeira vez combate entre São Jorge e a Coca

A Câmara de Monção pretende manter no concelho os milhares de pessoas que todos os anos assistem ao combate entre São Jorge e a Coca, promovendo uma celebração com espumante de Alvarinho e cordeiro após aquela tradição ancestral.

O combate que é ponto alto do programa das festas concelhias de Monção, vai cumprir-se no dia 20, feriado nacional e municipal do Corpo de Deus, pelas 19h00.

A população de Monção “torce” sempre pela vitória de São Jorge, que na crença local representar um ano de boas sementeiras e boas colheitas, nomeadamente de vinho Alvarinho.

O presidente da Câmara de Monção, António Barbosa, adiantou à Lusa que a “celebração”, que vai ser promovida este ano, pela primeira vez, representa “a aposta do executivo municipal no prolongamento da animação no concelho, após a realização daquele combate”.

O autarca acrescentou que junto ao anfiteatro natural do Souto, onde decorrerá o combate, “serão instalados diversos ‘stands’ e criada uma área de convívio para que o público, no final do evento, possa “degustar o melhor que o concelho tem para oferecer, desde o espumante da casta Alvarinho ao cordeiro à moda de Monção, prato batizado localmente com o nome Foda à Monção”.

“Nas festas concelhias apresentamos um programa atrativo e diversificado, onde evidenciamos a nossa identidade cultural e o apego à ruralidade da nossa gente. São momentos de animação, partilha e convívio entre nós e os nossos amigos que, nesta data, visitam Monção para quatro dias festivos”, sublinhou António Barbosa.

Além da “degustação dos produtos endógenos do concelho a celebração inclui ainda animação, noite dentro, com a DJ Keu”.

Antes, no combate, o “bem” é personificado por São Jorge, um cavaleiro da terra montado num cavalo branco, sendo o “mal” representado pelo “dragão”, uma estrutura empurrada por cerca de meia dúzia de funcionários da autarquia.

Pintado de verde e com fumo a sair pelas orelhas, o “dragão” tem a cabeça móvel e “goelas bem abertas”, fazendo uma figura que por vezes assusta o cavalo e torna a vida difícil ao cavaleiro.

O “bem” só é declarado vencedor se conseguir desferir golpes certeiros na língua e nas orelhas do “dragão”, mas por vezes o combate dura poucos minutos, dificultado precisamente pelo medo do cavalo.

António Barbosa realçou ainda a realização no dia 22, pelas 21h30, na praça Deu-la-Deu, do espetáculo “Despertar do Dragão”. Trata-se de um espetáculo multimédia “inspirado na lenda da Coca, onde as tradições antigas se cruzam com as novas linguagens do atual mundo do espetáculo”, disse.

O programa das festas concelhias, que decorre entre os dias 20 e 23, inclui ainda, entre outros números, a procissão solene do Corpo de Deus e o cortejo etnográfico das 24 uniões e juntas de freguesias do concelho, que integra mais de 60 carros e percorre as ruas do centro histórico, retratando os usos e costumes da população do concelho.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com